Os pontos mais importantes no processo de transição para tornar-se uma indústria inteligente

Assim como não há uma configuração estrutural padrão devido a complexidade e característica de cada segmento industrial, é provável que não haja um caminho único para alcançar com êxito uma solução de indústria inteligente. Cada indústria inteligente pode parecer diferente devido as variações de layouts de linha, produtos, equipamentos de automação e outros. No entanto, ao mesmo tempo, para todas as possíveis diferenças entre as próprias instalações, os componentes necessários para permitir uma fábrica inteligente de sucesso são amplamente universais e cada um é importante: dados, tecnologia, processo, pessoas e cyber segurança. Os fabricantes podem considerar quais priorizar para investir com base em seus próprios objetivos específicos.

Dados e algoritmos

Os dados são a força vital de uma indústria inteligente. Através de análises e uso de algoritmos, os dados guiam processos, detectam erros operacionais, fornecem feedback e, quando reunidos em escala e escopo suficientes, podem prever ineficiências operacionais e de ativos. Os dados podem ser adquiridos de diversas formas para atender muitos propósitos no ambiente de uma indústria inteligente, e o ato de tomar ações com grande retorno a partir do processamento destes dados é o que os torna tão valiosos. Assim, para alimentar uma indústria inteligente, é preciso ter os meios para criar e coletar fluxos contínuos de dados, gerenciar e armazenar as cargas maciças de informações geradas e analisar e agir, com base nestas informações, de maneiras variadas.

Ao passar para níveis mais altos de maturidade de indústria inteligente, os conjuntos de dados coletados provavelmente se expandirão ao longo do tempo de forma a abranger cada vez mais processos. A implementação em mais processos, ou em uma operação complexa de ponta a ponta, normalmente exigirá a expansão da captura e análise de conjuntos e tipos de dados diferentes (estruturados versus não estruturados), levando a considerações sobre os recursos analíticos, de armazenamento e de gerenciamento.

O adequado uso de dados também pode proporcionar a aplicação do Digital Twin (gêmeo digital), que é um recurso sofisticado da indústria inteligente. Um gêmeo digital é uma representação digital do comportamento passado e presente de um equipamento ou processo, e requer medições continuadas de dados do mundo real em uma variedade de dimensões, incluindo: produção, ambiente e desempenho. Os resultados dos poderosos recursos de processamento do gêmeo digital podem prover insights sobre o desempenho do produto ou do sistema de forma a possibilitar a necessidade de alterações de projeto e/ou processo no mundo físico.

Tecnologia

Para que uma indústria chegue ao mais alto nível de inteligência, os ativos, definidos como equipamentos da fábrica, devem se comunicar entre si e com um sistema de controle central. Esse sistema de controle pode assumir a forma de um sistema que executa o processo de fabricação ou como uma rede de suprimentos digitais para a tomada de decisão. No entanto, para que isso possa ser alcançado, as organizações precisarão investir em diversas tecnologias, incluindo:

  1. Sistemas integrado de gestão empresarial (ERP);

  2. Plataformas IoT e analíticas para coleta e tratamento dos dados dos equipamentos e sensores;

  3. Armazenamento de dados em nuvem (Big Data);

  4. Infraestrutura de processamento de borda para realizar cálculos e ajustes automáticos on time do processo de fabricação.

Além dessas tecnologias, pode ser necessário a implementação de outras tecnologias digitais e físicas, incluindo robótica, computação de alto desempenho, tecnologias cognitivas e de inteligência artificial, materiais avançados e realidade aumentada. Tudo isso para conectar ativos e instalações, entender os dados e digitalizar as operações comerciais.

Processo e governança

Os recursos de indústria inteligente de alto nível como: a capacidade de auto otimizar, auto adaptar e executar autonomamente os processos de produção; podem alterar fundamentalmente os processos tradicionais e os modelos de governança. Um sistema autônomo pode tomar e executar muitas decisões sem intervenção humana, mudando as responsabilidades de humano para máquina, ou concentrando decisões nas mãos de poucas pessoas. Além disso, a conectividade da indústria inteligente pode se estender além de suas quatro paredes para incluir maior integração com fornecedores, especialistas, clientes e outras fábricas. Esse tipo de colaboração pode levantar novas questões sobre processos e novos modelos de governança. Com uma visão mais profunda e holística da fábrica, da rede de produção e fornecimento, os fabricantes tendem a enfrentar novos desafios. E as organizações irão reconsiderar, e talvez redesenhar, seus processos de tomada de decisão para dar conta dessas mudanças.

Pessoas

Uma fábrica inteligente não se traduz necessariamente em uma “cyber” fábrica. Espera-se que as pessoas ainda sejam a chave das operações. No entanto, a fábrica inteligente pode causar mudanças profundas nas operações e nas organizações de TI / OT, resultando em um realinhamento de funções para dar suporte a novos processos e recursos. Como mencionado anteriormente, algumas funções podem não ser mais necessárias, pois podem ser substituídas pela robótica (físico e lógico), automação de processos e IA. Outras funções podem ser demandadas utilizando-se novos recursos, como: realidade aumentada e visualização de dados. Novos papéis desconhecidos provavelmente surgirão. O gerenciamento de mudanças do trabalho das pessoas e dos processos exigirá um plano ágil e adaptativo, sendo uma ação importante na adoção de qualquer solução de indústria inteligente. A jornada bem-sucedida da indústria para se tornar inteligente exigirá abordagens inovadoras de recrutamento e ênfase em funções multitarefas.

Cyber segurança

Por sua natureza, a indústria inteligente é totalmente conectada. Portanto, a segurança cibernética na indústria inteligente deve ser maior do que a necessária nas instalações tradicionais. E por isso, a segurança deve ser tratada como parte da arquitetura geral para uma indústria ser considerada inteligente. Em um ambiente totalmente conectado, os ataques cibernéticos podem ser difíceis de serem evitados e mais amplos dada a multiplicidade de pontos de conexão. Além disso, a necessidade segurança cibernética parece crescer acentuadamente à medida que a indústria inteligente aumenta e se move para além das quatro paredes da fábrica de modo a incluir fornecedores, especialistas, clientes e outras instalações de fabricação. E é por isso, que a segurança cibernética deve ser uma prioridade em sua estratégia de indústria inteligente desde o início.

Caso queira saber mais sobre o processo de transição para tornar sua indústria inteligente, entre em contato com a hazel. Teremos o prazer em ajuda-lo.

Referência: Deloitte(2017) - The smart factory

Leonardo Ribeiro

COO

saiba mais

Não perca mais tempo, você precisa de inteligência baseada em dados